domingo, 1 de maio de 2022

mãe


Havia um sol, um sorriso

pela manhã

uma luz, duma estrela

que eras tu.

Havia um abraço, um beijo

e uma flor nos teus olhos 

como desejo

a desprenderem amor

mãe

como ainda hoje te vejo.

Havia tudo isso 

e um mundo apertado ao teu peito.

Como era grande o sentimento

emanado  

um coração que sofreu por me ter amado...

Hoje, o teu dia seria

se outros dias eu os tivesse

junto a ti

como outros tantos os que perdi.

segunda-feira, 25 de abril de 2022

...

 


"A Verdade", Eça de Queiroz_jardim da cidade_lisboa

inscrição:
«Sobre a nudez forte da Verdade o manto diáphano da phantasia». de "A Relíquia" [1887]:


1974/25 


antes daquela madrugada

tão triste era a cidade

sem liberdade 

e sem voo e sem canto

sem sonho e sem verdade

sem vontade

de se tornar alegre

e sem maldade.


meu amor 


como te dizer o quão vã era a saudade

de tanta errada mocidade?


o tempo foi passando

tanto 

que hoje mais parece outra vida

mas recordo ainda

esse dia que se fez claridade

quando compreendi

o quão bela é a vermelha flor

que se chama Liberdade.


sexta-feira, 8 de abril de 2022

a noite e o silêncio

asas de silêncio no voo suspenso

- rosto-sombra da noite -

pálpebras doces no sono extenso

que batem sem bater 

no respirar do teu corpo alado

preso ao luar 

meu sonho e dedicado fado.

domingo, 27 de março de 2022

viagem dum olhar - Kiev 2022

 



"Perdemos repentinamente

a profundidade dos campos

os enigmas singulares

a claridade que juramos conservar

mas levamos anos

a esquecer alguém

que apenas nos olhou."



in A Noite Abre Meus Olhos

José Tolentino Mendonça


O último degrau

foto: headtopics.com


Teus olhos perdidos

vagueiam na paisagem em ruínas 

como se cinza e pó os quisesse habitar.


Surdos às dores

(esses alimentos sem sabores)

expandem o olhar 

pela janela do combóio 

sem retorno

que finalmente te há-de resgatar.


Tanto o cansaço e tanto o medo,

a fome, o desespero, a morte 

a rondar,

que mais não podes balbuciar

a raiz da palavra mãe (terra de bem)


Partes 

e a tua alma presa aos escombros

não sabe se teu corpo 

um dia 

dela se voltará a ocupar.


segunda-feira, 21 de março de 2022

Dia da Poesia

Da palavra escrita 

o rosto oculto

e a sombra da voz 

imóvel 

nos gestos suspensos.

Leio-te agora os lábios 

onde todas as palavras

tomam sentido 

no movimento da vida.

domingo, 6 de março de 2022

outro tempo

 "Nem eu sou eu dentro do tempo

nem completamente fora dele"

Ahmet Hamdi Tapinar


quando 

todo o tempo do mundo

era esse mundo 

tão pequeno

que por dentro desse tempo 

eu o via

tão belo, tão distinto, 

tão meu,

que mais parecia 

que esse mundo 

era eu

havia - há - outro tempo

por fora desse tempo  

que então eu não via:

um tempo 

tão gasto,

tão perdido, 

mas mesmo assim 

enternecido. 


domingo, 27 de fevereiro de 2022

as rosas negras

 


foto net


reeditado de 2016

Estas eram as palavras ditas a propósito do perigo em que o Mundo caminhava para o que hoje parece uma situação real.

O artigo então publicado nos jornais, num tempo em que não se deu a atenção devida, vem chamar-nos a atenção de que este mesmo Mundo é um sítio perigoso demais para estarmos descansados.

Tudo parece mais cinzento no espírito de quem nos governa e decide. Falam e agem com ódio, com rancor, com um sentido auto-destrutivo.

De agressão em agressão, de escalada em escalada, de provocação em provocação, de perda de Razão por parte de todos, isto não pára se não houver uma humana certeza: ninguém escapará, se a Paz não for construída, se o Poder não ceder à tentação de subjugar, de conquistar, de explorar, de humilhar um outro Ser.

Todos temos direito à Vida. Todos temos direito à Paz. Todos temos direito à Segurança e ao Pão. TODOS. Todos e cada Um.




"O vosso público, por sua vez, não tem a sensação do perigo iminente - é isso que me preocupa. Como não compreendem que o mundo está a ser puxado numa direção irreversível? Enquanto eles [a maior parte do establishment político-militar ocidental] fazem crer que não se passa nada. Já não sei como hei-de comunicar convosco".

Vladimir Putin



"Estou preocupado, muito preocupado, com que estejamos a caminhar como sonâmbulos para qualquer coisa de absolutamente catastrófico".

Sir Richard Shirreff

....

Deixo-vos o Poema que espero sejam só palavras perdidas ao vento. Palavras nunca nascidas e nunca terem sido
algum dia sequer pensadas e aqui vertidas:




as rosas de todas as hiroshimas

sangram as rosas negras
da madrugada
asas de corvos em sombras 
estendidas
- planície 
do nosso descontentamento -

verdes àguas paradas, 
entre margens 
assombradas, 
nas florestas petrificadas.

confunde-se o tom da 
superfície 
com prados enriquecidos
e a ponte é uma passagem 
para o céu 
de outra miragem

o horizonte é um manto 
funebre 
de tempestade.

ouve-se ao longe 
o mar 
num cadênciado 
martelar
e a maresia 
traz um gosto 
a lágrimas de sal
... no vento nuclear.

já não há como evitar 
tão densa noite
onde seria dia...

nem um só pássaro 
sobrevoa 
as escarpas do além
e este rugido 
do interior da terra
ouve-se intensamente
na revoltada planície
como um grito de dor.

não mais crescerá 
uma só flor.

tacteio essas sombras 
com mãos caídas
pela áspera rocha 
vertida 
na paisagem e na sombra 
projectada.

há pombas brancas 
agarradas e
cinzas e pó 
de extintas manadas.

manchas de musgo 
e répteis 
traçam pinturas rupestres
- natureza morta 
da vida 
volatilizada.

meus olhos 
já pouco enxergam
mas ainda vêem 
os minutos finais
do planeta Terra e
a loucura dos homens
com as suas bombas 
de auto-destruição.

lmc