sexta-feira, 17 de setembro de 2021

...

sonho no sono pesado
e no sonho, o choro
por teu choro largado.

mas acordado
sorris
aqui ao meu lado.

.....

A vida é tão curta para um só sonho
Instante, apenas, sonhado 
Que das mãos se desprende
Esgotado
Como folha seca, em voo
Ao chão, chegado
E a árvore criadora, num adeus
De mágoa, pelo fim 
Do ciclo, acabado. Porém
Outro sonho desponta, já
No firmamento
Sem, contudo, esquecer
A vida, que foi, daquele sonho
Amado.

.....

Casa saqueada
De sentimentos
Ao deus-dará
Do esquecimento
E a lua presente
Testemunha dormente
Da cama sem gente.

.....


giram os ponteiros
mais lentos uns
do que outros
sobre eixos invisíveis
como a vida translúcida.

e não se deu por nada.

sábado, 11 de setembro de 2021

retalhos de vida

 A tarde a chagar ao fim sem, antes, não aproveitar os últimos raios de sol para, "esplanadar" um pouco e beber umas " imperiais". 

Tantas eram as mesas cheias de gente que esperei um pouco para disponibizarem mais.

Á chegada, distribui cumprimentos, em especial a uma velha amiga, a Carla, e falamos dos filhos (filhas) e da saudade do Mário, que à muito nos deixou: seis anos.

Qual não foi o meu espanto quando, na mesa em frente, depois de me sentar, vi a d. Maria José, mãe do Mário, de 93 anos, a comer um gelado.

Parecia mais pequena, mais solitária, mais triste. Estava tão bela que a sua branca cabeleira era as únicas nuvens no horizonte.

Fui ter com ela e disse-lhe que tinha estado a falar do filho (único) e da falta que nos fazia.

O Mário tinha sido piloto de hélis durante a guerra colonial, em Moçambique, e era dele a expressão "zigarolho", a máquina que pilotou.

Com a imensa bebida ingerida, no meio de dois casamentos falhados, lá deu cabo de dois fígados, um transplante, e uma vida de bagaço, logo pela manhã, até adormecer ou esquecer-se do caminho para casa.

Dei-lhe um beijinho e disse-lhe que ele deveria estar a olhar para nós, pela coincidência de ter estado a falar dele, com saudade.

Comovi-a e, no meio de recordações, disse-me que não sabia o que andava cá a fazer, - embora a sua casa tenha sido visitada pela Segurança Social e terem ficado admirados pela limpeza e actividade da sua longa idade, sozinha -, pois ainda agora tinha morrido um homem bom, quase da sua idade, o dr. Jorge Sampaio.

Disse-lhe que alguma razão haveria de haver...para cá continuar.




terça-feira, 7 de setembro de 2021

07-set-2021

hoje é o meu dia. 

vou pensar em tudo para não pensar em nada.

meu grito do ipiranga foi há muito libertado.

pelo meio guardei no sótão o tempo das marés batidas,
dos amores, paixões e traições,
de amizades e frustrações.

tudo fechado a sete chaves.

nada mais me oculta as terras altas
e o mar-chão
com que beijo as tuas mãos.

- hoje é o meu dia

a ti o dedico!

sábado, 4 de setembro de 2021

côncavo e convexo




preciso de ti
mas também preciso do silêncio
em mim
sem ti.

preciso de estar só
comigo
sentir-te ausente
e desejar-te presente.

preciso, enfim...
preciso de pensar em ti.

.....

não sei o teu nome
nem a forma do teu sorriso
não sei quando chegaste
nem o passo que a mim deste.

não sei donde vieste.

duma curva da estrada
tu apareceste do nada
como serôdea andorinha 
que não quer ficar sozinha.

não sei ao que vinhas.

uma luz em arco-íris
tesouro por mim recebido
num horizonte perdido
que de meu a vida fiz.

não sei o que me deu
para ficar sempre teu.