sexta-feira, 1 de outubro de 2021

estorninho


"Quão pacífica seria a vida sem o amor.
Quão segura.
Quão tranquila.
Quão monótona."
Aristóteles
2° livro da Poética
in: "O Nome da Rosa"
......

estorninho, pequenino nada a despontar na alvorada

negro pássaro

pequenino ponto com coração a palpitar.

começa o dia, partindo, e deixa a árvore abandonada

na espera da chegada, onde haverá em voo picado de regressar e

encontrar lugar.

junta-se aos outros, em bandos que formam milhares,

nuvens em voo no céu a clarear.

pequenino nada, voa para além dos montes, a cruzar os céus,

na perícia que aprendeu.

nunca se perdeu.

apesar de pequenino, o seu mundo é melhor que o meu. é tão livre que

não sei onde vai, o que faz ou o que tem, para no ocaso à mesma árvore voltar..

nunca se esqueceu. até hoje, que resolveu emigrar.

quereria eu também partir?

talvez...

[meu corpo não tem forma; nem ensejo; nem vontade de ser

outro que não eu.]

mas, ser aquele pássaro que cedo aprendeu a voar e,

logo pela manhã, sonhar.

sentir-me livre como o vento, e no meu pensamento um só desejo,

fazer-me ar.

esquecer os silêncios que me fazem tudo recordar, ensurdecedores, 

desde o acordar.

mergulhar...

no vazio como se não houvesse amanhã,

ser um corpo ligado ao espírito e um só destino a desbravar:

ser como o ar a sobrevoar o extenso mar.

sem regressar...

 - Quão maravilhoso é ser-se livre e amar!

1 comentário:

  1. Ser como um pássaro que, não esquecendo o ninho, voa por todos os lugares com uma liberdade que só ele conhece. A Natureza maravilha-nos e faz-nos pensar. E o amor é maravilhoso, sim, meu Amigo Luís.
    Cuida-te bem.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar