sexta-feira, 17 de setembro de 2021

...

sonho no sono pesado
e no sonho, o choro
por teu choro largado.

mas acordado
sorris
aqui ao meu lado.

.....

A vida é tão curta para um só sonho
Instante, apenas, sonhado 
Que das mãos se desprende
Esgotado
Como folha seca, em voo
Ao chão, chegado
E a árvore criadora, num adeus
De mágoa, pelo fim 
Do ciclo, acabado. Porém
Outro sonho desponta, já
No firmamento
Sem, contudo, esquecer
A vida, que foi, daquele sonho
Amado.

.....

Casa saqueada
De sentimentos
Ao deus-dará
Do esquecimento
E a lua presente
Testemunha dormente
Da cama sem gente.

.....


giram os ponteiros
mais lentos uns
do que outros
sobre eixos invisíveis
como a vida translúcida.

e não se deu por nada.

2 comentários:

  1. Sempre um sonho nos arrasta. Sempre a mesma fé já gasta de tanto sonhar e sempre pronta a sonhar um sonho novo...
    Inspirador o teu poema, meu Amigo Luís.
    Tudo de bom para ti.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. De facto, querido amigo Luís, sentimo-nos como em casa saqueada, onde a cama esfria, vazia, no silêncio dos ponteiros de um relógio louco. Ora mostrando horas, ora esquecendo horas...
    O que mais importa, é que se sonhe acordado, para que a Vida não nos leve de arrasto, mas nos permita trilhar o nosso caminho.
    Como sempre, um poema cheio de alma, coração e força; muito seu!
    Um beijo, com carinho

    ResponderEliminar