sexta-feira, 4 de maio de 2018

éter


suavemente,
bati à porta da casa
encostada e sem fechadura.

- tinha aspecto habitável

fui entrando
ainda mais suavemente
como se o vento
a pudesse escancarar.

- ninguém...
me esperava ao chegar

a mesa posta
a sala acolhedora
e as jarras com flores.

- ainda viçosas e de várias cores

pé-ante-pé 
num acto de fé
sentei-me 
e...esperei.

- o tempo passava
e ninguém se aproximava

à minha volta
o silêncio falava 
dum tempo que foi
na beleza que soi.

subitamente,
sob os meus olhos
poisou o poema
qual pássaro ferido.

era um corpo cansado
de horizontes estendidos
e nuvens voláteis
como seus amigos.

inscrito sobre ilhas
cantava amores 
alegrias e dores.

era um sonho escondido
e tarde aos meus olhos
vertido.

- como se estivesse perdido

no tempo medido
eu li-te, poema
quase foste inventado
tarde
como se o sonho
tivesse acabado.

em cada ausência
a inexistência de cinzas
e cada lugar
estava ocupado.

- mas o tempo não espera

- e não sei
quem regará as flores

hoje, poema 
foste desejo 
na leitura e no ensejo.

na descoberta
da obra órfã
com que te vejo.

(à poeta Laura Santos, e ao seu blog , "Escrita no Vento", que encontrei encerrado, mas integro e tardiamente por mim descoberto: http://escritacommusica.blogspot.pt/?m=0)

lm_04.mai.2018

5 comentários:

  1. Um poema é como uma flor, nasce onde menos se espera... Gostei muito deste poema dedicado.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns para a tua filha. Já me tinhas dito que ela fazia anos no mesmo dia que a minha. Que seja uma pessoa muito feliz e que tenha um dia cheio de mimos.
    A minha filha nasceu no dia 7 de Maio de 1972, às 22h e 25 m.
    Um beijo e parabéns aos pais também.

    ResponderEliminar
  3. Uma bonita e serena homenagem, onde a delicadeza floresce como flor em canteiro bem cuidado. Atrevo-me a dizer que "quem regará as flores" será, com certeza um poeta, só eles sabem cuidar de flores-palavras-poemas... quem mais?
    Beijo de luar.

    ResponderEliminar
  4. gosto muito do poema
    e da homenagem a essa tua amiga
    recordo-me muito bem da grande qualidade da sua poesia

    grande abraço, Luís.

    ResponderEliminar
  5. Que saudades tenho da Laura Santos e da sua excelente poesia! Feliz lembrança e belo poema, amigo Luís.

    Beijo.

    ResponderEliminar