domingo, 18 de março de 2018

silêncio e tanto mais

diz-me, silêncio
quanto de ruído é teu desejo
para dele saíres no que vejo

no riso solto duma criança
a brincar à cabra-cega

na voz doce duma canção
com o dedilhar duma guitarra

no rosto do vento que passa
como carícia que se amarra

nas ondas do mar o rolar
dos sonhos a desbravarem

nos bosques densos o chilrear
dos pássaros a procriarem

mas se isso não chegar
tenho mais uma coisa macia
p'ra te enunciar
a pura poesia 
que nisto tudo podes encontrar

LM_18.mar.2018

1 comentário:

  1. e do silêncio
    as palavras brotaram
    e assim se fez poema!

    muito belo este poema meu amigo

    bom fim de semana

    beijinhos

    ;)

    ResponderEliminar