quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

linhas cruzadas

José Malhoa_praia das maçãs (detalhe) 1918

tomaste-me a mão 
como quem toma o coração
e sobre a pele 
desenhaste linhas de vida
numa linguagem 
que aprendi a soletrar.

olhei-te nos olhos 
e todas as palavras 
até aqui usadas
foram por mim esquecidas.

LM_14.fev.2018

3 comentários:

  1. Há linhas que, ao cruzarem outras linhas, dão significado à vida.
    Uma bonita linguagem, amigo Luís, um poema ao amor, numa forma muito sua.

    Beijo de luar

    ResponderEliminar
  2. Como dizia um poeta: aperta a minha mão até sentires o bater do coração... Foi o que te aconteceu, Amigo. Muito belo, o poema.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar