domingo, 10 de setembro de 2017

Quem Sois...?

Quem Sois, Senhora, que de meus olhos, tão luminosa beleza, cega minha tristeza?

Vendo-Vos, minha arte é sombra ardente, que de meu lume faço
e de amor trespasso.

Tendo-Vos, em tão vasto sentir, é um todo em parte
é abarcar o mundo num só abraço
e de minha alma voar todo o cansaço.

E sendo Vós tão rara e gentil presença, serve Vosso manto 
de útil e calorosa Benquerença.




a mais doce, a mais terna, a mais bela canção de amor.



3 comentários:

  1. Sinto-me obrigada a concordar com o que dizes sobre a canção de Brel.
    Gostei do poema, tão perto das raízes dos trovadores...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Luís, as palavras fazem-nos regressar ás medievas paisagens bucólicas de amores primaveris. Embalados por esta fabulosa música; de uma doçura e ternura que a voz incomparável de Brel faz vibrar.
    Poema e música a enaltecer o amor. Fabulosa combinação, querido amigo. parabéns.
    Boa semana.
    Beijo de luar

    ResponderEliminar