domingo, 23 de abril de 2017

a tarde /ou o 21 da carris

era tarde 
esperava
por ti
ao entardecer
e cada minuto 
passava
sem ti
por compreender
e  mais triste ficava
enfim
ao anoitecer
sem estar a teu lado
os dois
cego por te ver.

e as horas passavam
lentas
no medo de te perder
e sem saber
que fazer
perdido que estava
sem te poder ver
chegaste
tarde
na tarde 
desse anoitecer
sem nada dizer.



2 comentários:

  1. melodioso, e no entanto um certo desassossego numa espera anunciada ...mas que tardava.
    por momentos lembrei do poema Estrela da Tarde do Ayres dos Santos.
    gostei muito.
    beijinhos
    :)

    ResponderEliminar
  2. Que cilada se esconde numa espera, que nos torna inseguros e sombrios?
    Um poema onde se adivinham os pormenores de uma ansiedade que crescia com a chegada da noite...
    Uma boa semana, meu Amigo.
    Um beijo.

    ResponderEliminar