quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

testamento


foto net


quando na tua mão 
pousar a despedida
do coração que foi 
palpitação sem medida
deixa-me partir 
pois meu corpo vai
mas meu espírito fica
...amor.

8 comentários:

  1. Que a mão não seja para pousar na despedida de um coração que bate e sente. Mas um afago de doce e perene candura. Ou... Não será amor.

    ResponderEliminar
  2. desmedidas palpitações as que queimam
    como pontes sem regresso
    gostei muito

    abraço

    ResponderEliminar
  3. Boa noite, LuísM Castanheira
    Vi que esteve à porta do meu Mundo e, por isso, aqui estou.
    Gostei do que vi. O blogue denuncia-o como pessoa de bom gosto. Acoitado que está à máxima de Agostinho da Silva - o Mundo acaba sempre por fazer o que sonharam os Poetas - compreende-se que a fasquia está alta. O próprio nome do blogue é uma proposta nobre - Poesia, Ar e Mar.

    O tema presente - Testamento - fala de ir e voltar. No amor terá de haver sempre um pacto de confiança.
    Curto e bom.

    Abraço, José Luís.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa Noite, caro José Luís
      Efectivamente entrei no seu 'Mundo' poético pelo interesse despertado com comentários, por si feitos, em "Ortografia do Olhar", da Graça Pires, blog que sigo à uns anos.
      Assim,e porque gostei muito do que vi, resolvi aderir e segui-lo.
      Agradeço-lhe muito a avaliação que faz do meu espaço.
      Ainda bem que, para si, tem algum interesse.
      Quanto ao tema Testamento, só uma pequena achega: no meu pensamento estava o partir (pela morte), mas ficar...
      p.s.- normalmente respondo em posts do autor do comentário.
      Faço-o aqui, também para acrescentar o pormenor atrás referido.
      Um abraço
      Luís M

      Eliminar
  4. Quando o corpo vai... Fica sempre aquilo que plantamos entre as flores... Fica o perfume, fica a beleza, fica o amor com que cada flor foi cuidada... Assim, fica também belo o partir.
    Lindo, delicado, sensível... Como esse teu coração de Poeta!

    Meu querido, fiz uma homenagem no meu espaço aos amigos blogueiros, e apesar de termos tão pouco tempo de convivência fiz questão de deixá-lo registrado no mosaico de Natal, pois já recebi demonstrações tuas de ser uma pessoa atenciosa, sensível, que sabe conquistar amigos de uma forma única. Hás de reparar que aqueles que não possuíam fotos nos seus espaços fiz um registro numa paisagem. Não queria que ninguém ficasse de fora da minha árvore de Natal. Quando puderes, dá uma chegadinha por lá.
    Agradeço por teu carinho e demonstrações de apreço e desejo que o teu Natal tenha o colorido e o perfume das flores que teus gestos de bondade espalham pelos caminhos por onde andas.
    Meu carinho num beijo no teu coração,
    Helena

    ResponderEliminar
  5. Como se um pressentimento de ausência viesse de mansinho ao seu encontro. Como se fosse a véspera de uma qualquer fuga...
    Gostei, meu Amigo.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  6. O amor tem este poder de ser eterno na linha do tempo
    e além desta linha (a morte...)...

    Um poema excelente, inspirado e profundo.
    Aprecio imensamente a tua expressividade
    poética, meu amigo.
    Bj.

    ResponderEliminar
  7. o poema como uma despedida (forçada) para um local do qual nao tem regresso...mas com uma melancolia aliada a uma ternura muito bela.
    o seu título caiu muito bem no poema.
    a foto como suporte também.
    boa semana.
    beijo
    :)

    ResponderEliminar