quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Uma simples carta



Oh, minha mãe
Minha mãe
As dores que o Mundo tem
Foram as tuas dores
Também.

Minha mãe, 
Se hoje te pudesse dizer
O quanto te quero bem
Não haveria mais tristeza
Nos teus olhos de princesa
Aqueles que me viram nascer.

Mãe
Minha mãe
Só agora na ausência
Eu posso compreender
O quanto fizeste por mim
Ao dar-me 
O que eu nunca te dei.

Como fui tão egoísta
Ao querer tudo p'ra mim
Receber e pouco dar
E calar
Quando te poderia Amar?

Era o teu filho querido
E tanto era o orgulho por mim
Que não vias outra coisa
Além do que ficava em ti.

Viveste p'ra me criar
E pouco te pude abraçar.

Hoje
Olho o tempo da manhã
Vejo como jamais o verei
E recordo os teus olhos
Doces
Na ternura que perdi.

São os teus olhos 
Mãe
Que então herdei de ti
Que hoje te olham
Nos olhos da minha filha.

Esta carta
Mãe
Fez-me bem
Falei-te 
Do que nunca te falei
E tanto me comovi...
Como se agora o tivesse feito.

("um homem não chora"... enquanto não é hora)

Até um dia...
Mãe
Ele está cada vez
Mais perto
E é já longo
Tão longo...
O nosso desencontro.

( Dezembro é o teu mês
de ventura e desventura)


9 comentários:

  1. Meu amigo Luís,

    Os meus olhos (lágrimas...) de emoção dificulta te dizer: Que poema-carta mais belo, uma emoção que canta o mais belo amor!...

    Meu amigo, eu ia te dizer hoje aqui, depois do teu comentário no meu blog, que
    (gostaria de te escrito um poema para tua mãe...), para que tu fizeste e tinha
    certeza que seria um poema mais belo e inscrito de um sentir que transcende
    o tempo e possibilita este tempo ser teu e dela numa conexão mágica...

    A minha surpresa diante deste teu belo e único poema inscrito assim, mas tenho
    certeza que virão mais outros poemas de beleza encantadora para ela, quando tu
    precisar expressar este portal de conexão...

    Parabéns, um poema obra de arte. Tão belo, na excelência poética e
    na originalidade da inspiração e inspirador.

    Fiquei feliz de tu teres feito a catarse com este poema...
    Abraço de admiração!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas foi o teu poema (e o sentimento nele conectado)
      que me deu inspiração...
      Hoje, cedo, motivado, tive a necessidade de expandir o que senti (e sinto)
      A motivação estava toda lá...e saiu de rajada. Já está!
      Um beijo, Amiga e obrigado por tudo.

      Eliminar
  2. homenagem sentida e emocionante...
    também me emocionei, e muito ...
    abraço
    :(

    ResponderEliminar
  3. Mãe, é o maior tesouro que temos na vida. Quer esteja junto de nós, quer esteja à nossa espera do "outro lado da vida".
    Que homenagem sentida, Luís, e tão doce, tão saudosa. Tremendamente bonita. Tocou-me profundamente, obrigada pela partilha. E creio que a sua mãe, onde estiver, guarda o que de melhor foi (e é) vosso.

    ResponderEliminar
  4. Tão comovente, meu Amigo. Como não sentir consigo a falta de uma mãe? Não existem palavras para dizer a dor que nos vai na alma...
    Uma boa semana.
    Beijos, meu Amigo.

    ResponderEliminar
  5. Versos que por certo chegaram ao coração da tua Mãe, pois quem está no coração de Deus certamente terá olhos de Luz para os filhos que na Terra ficaram.

    ResponderEliminar