sábado, 8 de agosto de 2015

Exéquias da rosa







Luíz Fernando Regalheiro Henriques




Pétalas de neve poisam sobre o teu corpo ora adormecido
Na hora escolhidas pela singela e simples beleza
Como a vida que tiveste, espelho agora quebrado
São amores que levas de quem outros amores espalhaste
E aquela ex-aluna expressava-te a sua serena homenagem:
“quero uma rosa simples porque também ele era uma pessoa simples”.

Meu amigo,
Como eu gostaria de ainda poder contar contigo…
Dizer-te o quanto é sentida esta ausência que tanto me aflige
Contar-te dos meus sonhos, aqueles que não pude partilhar
Ouvir o que terias para me enriquecer
Falarmos de tantas coisas que ficaram por dizer… 
(Da música, da poesia, dos animais ou dos cactos)
Mas o tempo e a distância acabaram por as perder
 
Porém, ouvi o teu coração.

Chamei-te Monge porque assim era a tua pureza
Mas Cuidador com toda a certeza era e foi a tua missão
Essa missão cumprida até à exaustão.

Descansa agora porque partiste em paz.
(homenagem a LUÍS FERNANDO REGALHEIRO HENRIQUES)
N. 1944.Nov.10 - F. 2015.Jul.20

2 comentários:

  1. Muito bela esta homenagem. Há pessoas assim, para quem são insuficientes todas as palavras que dizemos... Que descanse em paz.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Meu caro, também eu tenho andado ausente da blogsfera.
    Como você.
    Desde Agosto.
    Um forte abraço!

    ResponderEliminar