sábado, 13 de setembro de 2014

só com o mar

foto: sofia almeida

na tarde cansada
caída
a tarde das tardes
vivida
com sopro de tempo
varrido
e um choro de sombra
tingido.

o ar ensopado

do mar
as ondas batidas
no ar
e no horizonte
o luar
com cheiro perdido
ao chegar.

as horas raiadas

a passar
pelo corpo sentado
na areia
e a dor mergulhada
no olhar.

o homem perdido

ao achar
a solidão consigo
a navegar. 

(inspirado num poema da Sofia, in: Jardim de Palavras)

foram dois fins-de-tarde, na praia
onde, sozinho o via....e este homem sofria.


1 comentário:

  1. A solidão é traiçoeira como o mar quando vem numa hora atormentada...
    Beijo.

    ResponderEliminar