quinta-feira, 21 de agosto de 2014

insónia

Entre o fumo dum cigarro
esvai-se o pensamento solto
e, onde deveria ter parado, agarro
um vago sentimento morto
que ao nascer já era torto.

Tento endireitar as linhas
numa escrita de fantasia
as horas já não são minhas
são dum tempo que não havia
e dum espaço que não se cria.

O sono, esse não vem
atirar-me p'ro descanso
onde lá estaria bem
a repousar d'um dia manso
que passou num simples lanço.

20.ago.2014

1 comentário:

  1. As insónias são terríveis... Mas se dão para escrever um poema, não é nada mau...
    Um abraço.

    ResponderEliminar